terça-feira, 28 de junho de 2011


TRISTEZA DISFARÇADA

Quem me vê alegre assim desse jeito,
Não sabe da dor que carrego no peito,
E, nem do que o meu coração é feito.


Quem me vê assim, de rosto pintado,
Não sabe que já devia tê-lo borrado,
Pelas as lágrimas que tenho chorado.


Se pudessem enxergar a minha alma,
Por certo não mais bateriam palmas,
Nem de mim, dariam mais risadas.


Com um sorriso estampado na face,
Em riste, uma lágrima em disfarce,
Uma boa aparência de alegria nasce.

Independente da dor no meu coração,
Me importa é a minha imaginação,
Trazida por uma mágica inspiração.


Escolhi por assim seguir, à revelia,
Transformando a dor em poesia,
Em muitos, despertando a alegria.


Pelas pessoas que amo, me convenso
E, com um sorriso eu me apresento,
Fazendo rir, mesmo estando sofrendo.


A minha inocente alma de criança,
Alimenta nos adultos a esperança,
Um sonho é real com perseverança.

Vannessa Adriana Butterfly