quarta-feira, 22 de junho de 2011


METAMORFOSE

Eu entendo que nada em nossa vida esteja exatamente definido, portanto, acredito que nenhum ser humano é imutável, por mais que acreditamos já ter uma personalidade definida, não acredito que sentimos, pensamos e queremos sempre as mesmas coisas, nem do mesmo jeito todo o tempo.

Agora, gostamos do branco ou do preto, mas pode ser que num momento seguinte nos apaixonamos pelo cinza, ou por uma completa aquarela de intermináveis nuances, às vezes, queremos ir para o céu ou para o mar, mas podemos nos encantar pela terra desejando nela permanecer, preferimos o dia ou à noite, mas algum motivo pode nos levar à fascinação pela gélida e cálida madrugada, ou ainda pelo entardecer.

E, isso acontece em todos os sentidos da nossa vida, não fomos criados para sermos estáticos, não nos acostumamos com uma permanente letargia, estamos em constantes transformações, temos o poder da fácil adaptação a lugares, a climas, a situações, a pessoas, a novos sentimentos, pois, quase sempre, mudar é preciso, seja por opção, ou qualquer tipo de imposição.

Tenhamos, então, o devido discernimento do momento certo para a prática dessa metamorfose humana, e assim podemos manter uma linha de convivência mais satisfatória com esse mundo, com nós mesmos, com os outros seres humanos e por toda a modificação, ou transformação por que passa qualquer um.

Vannessa Adriana Butterfly